ÁREAS DE ATUAÇÃO

Governo de Minas Gerais e Codemge inauguram Museu das Águas em Lambari

19 de dezembro de 2018

Instalado no histórico Cassino de Lambari, no Sul de Minas, o equipamento destaca a importância das águas para a vida no planeta

O Governo de Minas Gerais e a Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge) inauguram, no próximo dia 21/12 (sexta-feira), o Museu das Águas, em Lambari, no sul do estado. A cidade é uma estância hidromineral e faz parte do Circuito das Águas, região que inclui outros 13 municípios que contam com fontes de águas termais e/ou minerais. O Museu das Águas será implantado no antigo Cassino de Lambari. Por meio de espaços audiovisuais imersivos concebidos especialmente para o projeto, o novo equipamento cultural vai contar a história da água e sua importância para a região e para a vida de todo o planeta.

Serão quatro módulos: o primeiro, sobre as águas de Minas Gerais, irá situar o visitante no espaço e apresentar as outras cidades do Circuito das Águas. O segundo módulo focaliza os rios, lagos e oceanos e a conexão destes sistemas com o tecido da vida, além das propriedades físicas, químicas e biológicas da água.

Na sequência, a água é abordada nas suas relações com a sociedade e a economia: na geração de energia, na agricultura e no abastecimento de cidades, bem como sua relevância para o meio ambiente. A última parte da exposição apresenta o aspecto cerimonial da água, focando na sua presença nos rituais cristãos e nos cultos de matriz afro-brasileira, e também seu valor medicinal e curativo, incluindo as propriedades benéficas das águas minerais e dos tratamentos hidroterápicos e a história das termas em Minas Gerais.

O vídeo-artista Eder Santos, um dos pioneiros da arte multimídia no Brasil, foi o responsável pela criação das instalações audiovisuais. Reconhecido mundialmente por desenvolver projetos híbridos que mesclam artes visuais, cinema, vídeo e novas mídias, Eder possui obras nos acervos permanentes do Museu de Arte Moderna de Nova York, o MoMA, e do Centre Georges Pompidou, em Paris. Paulo Santos, do renomado grupo Uakti, assina as trilhas sonoras.

Espaços de convivência, como uma loja e um café, também farão parte do novo museu. As visitas serão realizadas em grupos, e devem ser agendadas pelo e-mail museudasaguas@codemge.com.br.

Cultura e preservação histórica

O novo museu promove a recuperação e dá novo uso a um importante edifício histórico. Representa, ainda, a entrega de mais um espaço cultural para Minas Gerais, aumentando a oferta de atrações para os turistas e moradores de toda região.

Atualmente tombado nas esferas municipal e estadual, o antigo Cassino de Lambari foi inaugurado em 1911. Inspirado em estâncias minerais francesas e construído em estilo eclético, o prédio não chegou a funcionar como cassino, tendo sido usado para a realização de bailes, convenções e outros eventos. Em preparação para a implantação do museu, a então Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig) reformou inteiramente o espaço.

As águas termais são um importante recurso para Lambari e os demais municípios do Circuito das Águas, cuja história é estreitamente ligada à descoberta e à exploração das fontes de águas minerais. A infraestrutura que surgiu em torno do universo das águas teve papel fundamental na ocupação e desenvolvimento da área. Dessa maneira, o Museu das Águas contribui de maneira significativa para o desenvolvimento turístico e preserva de maneira integrada o patrimônio material e imaterial da região.

Águas Minerais e Codemge

Minas Gerais é um dos estados brasileiros de maior tradição em águas minerais. Na história do Estado, principalmente na região sul do território, pode-se destacar a importância das suas estâncias hidrominerais, com propriedades medicinais e terapêuticas. Empresa indutora do desenvolvimento mineiro, a Codemge reconhece e valoriza as águas de Minas Gerais como importante patrimônio do nosso Estado.

Além das concessões das fontes de águas minerais de marcas como Cambuquira e Caxambu, a Empresa também zela, em conjunto com parceiros, por empreendimentos de turismo e hotelaria em diversos municípios, como Cambuquira, Caxambu e Lambari, no Circuito das Águas, além de Araxá, Caldas, Poços de Caldas e Tiradentes. O clima ameno, as belas paisagens, as várias opções de passeios, a famosa culinária e a tradicional hospitalidade do povo mineiro compõem um conjunto de atrativos que fazem dessas cidades destinos inesquecíveis.

O turismo relacionado às águas proporciona a Minas Gerais desenvolvimento econômico e social, geração de empregos e de renda. Para o visitante, são oportunidades prazerosas de lazer, descanso e saúde; para as gerações futuras, a preservação de nossa história, tradições e recursos naturais.